Justiça não dá trégua: pedido de liberdade de Wladimir Costa é negado novamente

Contrariando as alegações da defesa de Wladimir Costa, o Juiz Marcus Alan de Melo Gomes, à frente da relatoria, indeferiu o último pedido de liminar solicitando liberdade.

 Foto: Sergio Lima

 Foto: Sergio Lima

Contrariando as alegações da defesa de Wladimir Costa, o Juiz Marcus Alan de Melo Gomes, à frente da relatoria, indeferiu o último pedido de liminar solicitando liberdade. Os advogados do ex-deputado federal, insistem que a demora na sentença pode gerar danos ao acusado e alegam que ações não são de competência da Justiça Eleitoral. A defesa também declara que entrará com recurso contra a última decisão.class="html-br">class="html-br">O ex-parlamentar responde a duas ações penais, uma originada na Justiça Comum estadual e outra na Justiça Penal, ambas pelos mesmos fatos. Mas, como defende o advogado do acusado, Sabato Rossetti, as ações não são de competência da Justiça Eleitoral. "Os crimes eleitorais se configuram no ambiente e no cenário eleitoral? Quando ele visa finalidade objetivo de propaganda eleitoral, quando é negativa, ou seja, uma ofensa contra a honra, no clima de eleição", explica. Em nota, a defesa de Wlad discorda da decisão sob a alegação de que "em 2023, data das ofensas, sequer houve eleição", que pudesse embasar o processo na justiça eleitoral.class="html-br">class="html-br">